Archive for janeiro \30\UTC 2013

Governo perde “batalha das expectativas”

janeiro 30, 2013
Uma corrente cada vez mais crescente de economistas, executivos e empresários (adicione-se a mídia) vem solidificando um diagnóstico de que o governo vem perdendo a “batalha das expectativas”.
O editorial do Valor do dia 29/01/2013 foi contundente: “Para domar expectativas, BC precisa reforçar credibilidade“.
O Banco  Central- BC disse na semana passada (na ata do COPOM- Comitê de Política Monetária do BC) que “o baixo crescimento da economia se deve a constrangimentos do lado da oferta“, e que eles não podem ser combatidos com a política monetária, que é voltada para a demanda agregada.  Logo, tirou “da reta” sua responsabilidade neste assunto!
Mas, como afirmado pelo editorial do Valor, o banco tem responsabilidade em garantir um ambiente de estabilidade monetária no país que dê mais segurança aos investidores.  Ocorre que isso tem tudo a ver com a orientação da política econômica.
O atual quadro de agravamento das incertezas é totalmente devido à postura do Palácio do Planalto.  Se a própria Presidente antecipa as eleições de outubro de 2014 para janeiro de 2013 (como foi entendido seu pronunciamento recente da duvidosa redução das tarifas de energia), ela própria “jogou álcool na fogueira“, o que contribuiu mais ainda para o aumento das incertezas, e para a piora do ambiente de negócios.
Neste contexto, os agentes econômicos começam a perceber a “insegurança na condução da política econômica” e tentam maximizar seus interesses, mesmo que estejam conscientes (ou não) das fragilidades da economia real do país (é o “salve-se quem puder”!).
Em resumo, nenhuma novidade (do ponto de vista econômico) sobre os determinantes da atual conjuntura (e o que fazer para sair dela; por sinal, as saídas vêm sendo apontadas por vários especialistas).  O que estamos precisando é de RUMO, DIREÇÃO, LIDERANÇA POLÍTICA, ESTRATÉGIA POLÍTICA, de forma a “domar as expectativas”!

Examining the true meaning of Davos

janeiro 28, 2013

This is a very good explanation for the meaning of Davos (the World Economic Forum taking place in the city of Davos, Switzerland), from Don Tapscott: http://bit.ly/VrL3rk !

O Brasil e as Políticas de Desenvolvimento Produtivo (Final)

janeiro 28, 2013

Já está no ar a mais nova newsletter da Creativante, intitulada “O Brasil e as Políticas de Desenvolvimento Produtivo (Final)“, que você pode acessar aqui (http://bit.ly/14mZheu)!

Boa leitura!

Global Risks 2013 (World Economic Forum)

janeiro 24, 2013

Interesting report from the World Economic Forum- WEF: Global Risks 2013 

http://reports.weforum.org/global-risks-2013/

O Brasil e as Políticas de Desenvolvimento Produtivo (I)

janeiro 21, 2013

Bom 2013!
Já está no ar a primeira newsletter da Creativante de 2013, intitulada “O Brasil e as Políticas de Desenvolvimento Produtivo (I)“, que você pode acessar aqui (http://bit.ly/SpvFcw)!

Boa leitura!

Outsourcing and offshoring: Special report from The Economist

janeiro 18, 2013

Very good special report from the new The Economist: Outsourcing and offshoring (see http://econ.st/XkLKgP)

A newsletter da Creativante está de volta

janeiro 18, 2013

Bom 2013!

Informamos nesta oportunidade que a newsletter da Creativante está de volta!

O tema desta primeira newsletter de 2013 é a questão das chamadas “políticas industriais”, que vêm perdendo esta denominação para o termo “políticas de desenvolvimento produtivo – PDPs“.  Inicialmente partimos do tratamento conceitual para depois colocarmos como o Brasil está posicionado nesta questão.

A newsletter vai ao ar nesta segunda-feira 21/01/2013!

Aguardem!

Política de Defesa Cibernética do Brasil

janeiro 2, 2013

0102_07_INF_03

Hoje o Jornal do Commércio de Pernambuco publica opinião nossa sobre a nova Política de Defesa Cibernética do Brasil!

Conforme apontei ao repórter Jacques Waller, a política divulgada se resume ao âmbito militar. Ou seja, ela não mergulha nas questões do âmbito do governo nem tampouco às questões da defesa cibernética civil.  Em se tratando da Defesa Cibernética no âmbito militar, a Política está totalmente aderente aos preceitos da Estratégia Nacional de Defesa, aprovada por meio do Decreto N° 6.703, de 18 de dezembro de 2008. Ademais, como o Estado Maior das Forças Armadas é o responsável pela Política, já que assessora do Ministério da Defesa, isto reforça o caráter militar da política.

No entanto, a política não incorpora as questões relativas às entidades de governo (digo, também dos governos: federal, estadual e municipal).  Ou seja, em que medida um “um cyber attack” a um órgão estadual (tipo, Secretaria da Fazenda do Estado de Pernambuco) vai ser enfrentado? Serão as Forças Armadas que dirão o que tem que ser feito? Como esta questão (a Cyber Defense) ainda não foi bem digerida no país, os governos ainda não têm uma clara visão do que tem que ser feito.  Mas daí a permitir que as Forças Armadas digam o que tem que ser feito vai “um longo caminho”.

E finalmente, a política divulgada não incorpora as questões da “Defesa Cibernética Civil”. Afinal, o que pode acontecer se os datacenters do JCPM, ou da nossas grandes empresas, sofrerem um cyber attack de chineses?  É uma questão de âmbito militar? Ou de governo? Não acredito! Creio que a sociedade brasileira deveria ter uma Política Cibernética Civil.  Se ela convergir para a Política Cibernética Militar, bem como para a Política Cibernética Governamental, ótimo! Se não, vai dar “buruçú”!

%d blogueiros gostam disto: