Archive for fevereiro \29\UTC 2008

Intrade: The Prediction Market

fevereiro 29, 2008

barack_obama_ge_mn1.jpg 

De acordo com a empresa de Preditividade Intrade, eis abaixo a probabilidade de indicação de candidato do Partido Democrata às eleições dos EUA:

P (Obama) = 85%
P (Clinton) = 15%

Anúncios

Chinês é o Chief-Economist do Banco Mundial

fevereiro 29, 2008

justinlin_blog_20080228144847.jpg 

O fato já tem alguns dias, mas é sempre bom relembrar, uma vez que pela primeira vez na história do Banco Mundial, seu economista-chefe será um chinês.

The Wall Street Journal de hoje tem uma entrevista dele (o Prof. Just Lin, que foi o Diretor-fundador do China Center for Economic Research (CCER),  da Peking University) falando de sua visão sobre o desenvolvimento. Pela matéria, ele se mostra interessado nos problemas institucionais do desenvolvimento.

É a China ampliando seu raio de influência econômica no mundo!

Enquanto isso, no Brasil, nada de relevante acontece para que possa ser considerado de importância internacional!

Popularidade do Obama

fevereiro 28, 2008

Mais um indicativo da popularidade do Senador Barack Obama!

Uma das razões da Microsoft querer comprar a Yahoo: o network dela na Ásia!

fevereiro 27, 2008

Usando uma frase antiga do vocabulário popular do Brasil, ou, como diria o matuto, “a Microsoft não dá murro em ponta-de-faca!”. 

Pois bem! Desde a oferta que a Microsoft fez para a compra da Yahoo, na passagem para este ano, eu desconfiava que a estratégia da Microsoft de desafiar a Google seria ousada.  Hoje o Wall Street Journal revela uma parte da história por trás desta oferta, e, como a Microsoft está fortemente antenada com a Ásia.

Eis aqui a matéria do Wall Street Journal!

=============
How Yahoo’s Stakes in Asia May Affect Microsoft’s Bid

By YUKARI IWATANI KANE and ROBERT A. GUTH
February 27, 2008; Page B1

In mid-December, weeks before Microsoft Corp. made its unsolicited offer to buy Yahoo Inc., several senior executives from the software giant spun through China, South Korea and Japan to study the countries’ Internet markets.

People familiar with the trip say the executives reached a crucial conclusion: To compete in Asia, any outside company needs to work with the local Internet players that dominate the competition.

[Map]

Yahoo already has that connection, and Microsoft wants it. While the online advertising market is experiencing solid growth in the U.S., companies that stake out major positions in Asia stand to reap greater rewards. Asia “is an underdeveloped but massive market” with “a lot more potential for growth,” says Hiroshi Kamide, an industry analyst with KBC Securities in Tokyo.

Yahoo got an early start in Asia, gaining a strong position by virtue of investments in three of the region’s hottest Internet players: Yahoo Japan Corp., online auction site Gmarket Inc. in South Korea, and the Chinese holding company Alibaba Group and its publicly traded unit, Alibaba.com, an online marketplace.

Those locally managed companies could be a key factor in the valuation of Microsoft’s stock-and-cash bid — valued at about $42 billion — and in determining whether the software company answers calls from investors to raise it. Depending on how their value is calculated, the stakes account for $9 billion to $14 billion of Yahoo’s value. That gap could be used to justify raising the $31 a share that Microsoft has offered for Yahoo.

So far, Yahoo’s Asia holdings haven’t gotten much attention in the frenzy of analysis over Microsoft’s unsolicited offer for Yahoo, which was made Jan. 31 and was swiftly rejected by the company’s directors as not high enough. But behind the scenes, Microsoft has done its homework. The December trip helped inform a list of options Microsoft drew up concerning how it might develop a stronger front against rival Google Inc. in Asia, say people familiar with the company.

Since the bid, executives from Microsoft have held talks with Alibaba Group about the company’s plans if the Yahoo bid is successful, says a person familiar with the talks. Yahoo owns about 40% of closely held Alibaba, which runs Yahoo’s Chinese operation, and about 29% of Alibaba.com.

Microsoft is also preparing to send an antitrust expert from its legal team to set up shop in China in the expectation that the Chinese government will closely scrutinize the deal if it goes through, say people familiar with Microsoft’s plans.

Currently, Yahoo’s Asia holdings are passive investments. The company doesn’t include them in its consolidated financial results and has limited influence over them. It does hold one seat on the five-member board of Yahoo Japan, where its 34% stake makes it the second-largest shareholder, and it supplies the technology behind the Japanese Web site.

But the company’s business strategy is driven almost entirely by Softbank Corp. — which holds 44%, or the single largest stake, of Yahoo Japan, and about 30% of Alibaba — and Yahoo Japan’s executives. Yahoo also has a seat on Alibaba’s board, but that company is run by its founder, a former English teacher named Jack Ma.

[Graphic]

How Microsoft might reorganize the holdings in the event of a successful takeover is unclear. Microsoft and Yahoo declined to comment for this article. In any event, Microsoft would probably need cooperation from Masayoshi Son, the billionaire founder of Softbank and Yahoo’s consigliere in Asia. In recent public comments, Mr. Son has said he isn’t interested in selling his stake in Yahoo Japan.

But Microsoft might be able to work with him to better integrate the assets, allowing closer cooperation between Yahoo Japan and Alibaba, say people familiar with the situation. Mr. Son in recent months has talked up a vision in which a company with strong roots in China would have influence over the Internet broadly, an idea that Alibaba’s Mr. Ma has echoed. “Until now, whoever dominated the U.S. dominated the world, but that’s changing,” Mr. Son said when Softbank announced its financial results on Feb 7.

Mr. Son was instrumental in Yahoo’s early entry into Asia, helping the company set up Yahoo Japan in 1996 and then guiding the joint venture into new areas. Yahoo Japan now leads the Japanese market in Internet search and online auctions and holds about 25% of Japan’s roughly $4.25 billion online advertising market, analysts say.

Google has tried to catch up, but it remains a distant second, with 21.6 million users in Japan, compared with Yahoo’s 42.5 million users there, according to the market-research firm Nielsen Online. Japanese consumers still flock to Yahoo for its extensive directories and shopping and spend more time there than on YouTube, Amazon or any other site. Even eBay Inc. packed up and left after it failed to loosen Yahoo’s grip on online auctions. Microsoft’s own MSN site ranks eighth among portal sites.

In China, Alibaba doesn’t enjoy as strong a position, but it does give Yahoo a foundation in a fast-growing market with 220 million Internet users. Yahoo merged its Chinese site with Alibaba, which now occupies a distant third behind China’s Baidu, which dominates with a 60% share of China’s roughly $132 million in Internet-search revenue, according to Beijing research firm Analysys International. Google is second with a 26% share, according to the firm.

Over the years, analysts and investors have struggled to determine what these Asian investments are worth to Yahoo. Yahoo Japan, Alibaba.com and Gmarket are publicly traded, so their market value provides some guidance. But because the shares aren’t easily converted to cash, analysts and investors usually don’t apply the full market value when calculating Yahoo’s total value. Instead, they cut the value down by a certain percentage that’s basically a guess and varies from around 20% to 40%.

UBS Securities LLC, for instance, uses a discount of 25% for Yahoo Japan, meaning that Yahoo’s share in the Japanese company drops in value to about $7 billion from $9.3 billion, based on Tuesday’s share price, says UBS analyst Benjamin Schachter. Applying discounts to all of Yahoo’s Asia holdings, Mr. Schachter estimates their combined value yesterday was $11.3 billion, compared with a market value of about $13.4 billion.

But he notes that because the holdings would give Microsoft a beachhead in Asia, their true worth to the software company goes beyond the numbers. “The strategic value is a much more interesting question for a buyer like Microsoft,” Mr. Schachter says.

Yahoo co-founder Jerry Yang would seem to agree. In a letter to Yahoo employees the day Yahoo’s board rejected Microsoft’s offer, Mr. Yang cited the Asia holdings as one reason Microsoft’s unsolicited $31-a-share bid “substantially undervalues” Yahoo, arguing that “there’s the added benefit of our substantial, unconsolidated investments in China and Japan: We have major positions in Yahoo Japan, the leader in its market, and Alibaba, which is strongly positioned in China, a market with enormous growth potential.”

–Geoffrey A. Fowler and Jason Dean contributed to this articl

Ministério das Comunicações envia carta à ANATEL

fevereiro 27, 2008

diacomunicacoes.jpg 

Dando seguimento à mensagem da ABRAFIX que aqui reproduzimos no post do dia 21/02, o Governo Federal, através do seu Ministério das Comunicações, encaminhou carta à Anatel sobre alterações no marco regulatório das telecomunicações no país.  Eis abaixo a carta, conforme foi noticiado pela Telebrasil.

=============

TELEBRASIL faz registro histórico II

A TELEBRASIL – Associação Brasileira de Telecomunicações reproduziu, no dia 8 de fevereiro último, Ofício que a Abrafix – Associação Brasileira de Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado – encaminhou a Anatel, sobre alterações no marco regulatório do setor de telecomunicações no País. Dando seqüência ao fato, reproduzimos o Ofício 11/2008/MC, de 12 de fevereiro deste ano, do ministro das Comunicações, Hélio Costa, ao presidente da Agência Nacional de Telecomunicações, Ronaldo Mota Sardenberg, a respeito do importante tema.

A seguir, o texto original do Ofício 11/2008/MC:

“MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES
GABINETE DO MINISTRO

Ofício nº 11/2008/MC

Brasília, 12 de fevereiro de 2008.

A Sua Excelência o Senhor
RONALDO MOTA SARDENBERG
Presidente da Agência Nacional de Telecomunicações
SAUS, Quadra 6, Bloco “H” – Ed. Ministro Sérgio Motta – 10º andar
70070-940 Brasília-DF

Assunto: Oficio n.º 75/2008-PR-Anatel, de 11 de fevereiro de 2008 – ABRAFIX – proposta de alterações no marco regulatório do setor de telecomunicações do País

Senhor Presidente,

Em acordo com a sua missão institucional, o Ministério das Comunicações tem acompanhado com atenção as transformações por que vem passando o setor de telecomunicações no Brasil e no mundo nos últimos anos. Como observador privilegiado dessas transformações, este Ministério tem se empenhado ativa e continuamente na criação de condições que viabilizem a consolidação e a ampliação das conquistas já alcançadas pelo País no âmbito das telecomunicações, tendo em vista, partículannente, os objetivos de expandir os investimentos no setor, dinamizar a concorrência em benefício do consumidor e reduzir as profundas diferenças sociais e regionais do País.

CONSIDERANDO que a Associação Brasileira de Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado – ABRAFIX encaminhou carta à Agência Nacional de Telecomunicações – Anatel solicitando a remoção de restrições prejudiciais à integração de redes de serviços de telecomUnicações e à plena convergência digital de voz, vídeo e dados;

CONSIDERANDO que a Anatel consultou este Ministério sobre a necessidade de que seja verificada a adequação da Política Nacional de Telecomunicações, estabelecida pelo Poder Executivo na forma do art. 18 da Lei n.º 29.472, de 16 de julho de 1997 (Lei Geral de Telecomunicações – LGT), às mudanças estruturais do mercado de telecomunicações brasileiro;

CONSIDERANDO as tendências hoje dominantes no setor de telecomunicações no mundo, que apontam para a mudança do padrão de concorrência do setor a partir da consolidação de redes multi-serviços, baseadas nas inovações tecnológicas que hoje permitem a convergência digital de voz, vídeo e dados;

CONSIDERANDO que, diante dessas novas tendências, o estímulo a investimentos no setor deve estar vinculado à necessidade de ampliação de infra-estrutura de rede que viabilize amplo acesso a pacotes de serviços de comunicação;

CONSIDERANDO que as iniciativas de reforma regulatória já implementadas ou em curso nos Estados Unidos e na União Européia têm viabilizado a integração de redes multi-serviço com ampla abrangência territorial, possibilitando melhores ofertas de serviços aos consumidores, com a incorporação das economias de escala e de escopo necessárias à manutenção da capacidade de investimentos das empresas do setor;

CONSIDERANDO que as empresas de telecomunicações que atuam no mercado brasileiro têm buscado realizar integrações verticais e horizontais com o intuito de prover serviços múltiplos (telefonia fixa, móvel e serviços multimídia) em uma única plataforma de rede;

CONSIDERANDO que o atual marco regulatório brasileiro contém restrições que impedem a plena integração de infra-estruturas de telefonia fixa, móvel e de serviços multimídia por empresas de telecomunicações que atuam no Brasil; e

CONSIDERANDO que a adequação do marco regulatório é recepcionada pela legislação em vigor, o que permite a remoção de restrições que possam prejudicar a evolução do setor no País e limitar o acesso do consumidor brasileiro aos beneficios da convergência digital;

Vem o Ministério das Comunicações, como órgão do Poder Executivo, recomendar aperfeiçoamentos no Plano Geral de Outorgas (PGO) e, conforme avaliação a ser feita pela Anatel, em outros documentos normativos, visando adequar o marco regulatório das telecomunicações no Brasil ao atual contexto do setor, pelos motivos e segundo as diretrizes expostas a seguir.

1. Observações preliminares

A LGT prevê, em seu art. 84, que a exploração do serviço prestado em regime público deverá obedecer à divisão do País em áreas estabelecidas pelo Plano Geral de Outorgas (PGO). Refletindo essa previsão, o Decreto n.º 2.534, de 2 de abril de 1998, aprovou o PGO, que estabeleceu, dentre outras definições:

i) quatro Regiões de concessão distintas – as quais, por sua vez, foram divididas em Setores (art. 4º);

ii) e a impossibilidade de transferências de concessão ou de controle societário entre concessionárias do Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) que atuam em Regiões de outorga não coincidentes ¬ excetuadas as transferências que contribuam para a compatibilização das áreas de atuação definidas no PGO e para a unificação do controle societário das concessionárias atuantes em cada Região (arts. 7º e 14º).

O art. 84 da LGT também prevê, porém, que o PGO seja permanentemente atualizado. Isso se observa, em seu § 1º, que estabelece que as áreas de exploração, o número de prestadoras, os prazos de vigência das concessões e os prazos para admissão de novas prestadoras devem ser definidos considerando-se o ambiente de competição e observados o princípio do maior benefício ao usuário e o interesse social e econômico do País.

Seguindo essa determinação legal, o Decreto nº 2.338, de 7 de outubro de 1997, que aprovou o Regulamento da Agência Nacional de Telecomunicações, define que o órgão regulador periodicamente reveja o PGO para adequá-lo às diretrizes da LGT (art. 16, IV do Regulamento) e à Política Nacional de Telecomunicações (art. 16, I do Regulamento e art. 19, I da LGT).

Note-se, ainda, no que se refere especificamente à referida restrição existente no PGO, que a LGT estabeleceu em seu art. 202, § 1º, que uma vez decolTidos cinco anos da desestatização, a Anatel pode admitir a transferência de controle ou de concessão que resulte no controle, direto ou indireto, por um mesmo acionista ou grupo de acionistas, de concessionárias atuantes em áreas distintas do PGO, caso tal impedimento não seja mais considerado necessário à consecução dos objetivos previstos no art. 84, § 1º da LGT.

Essa possibilidade demonstra que o PGO, segundo as diretrizes da LGT, deve ser adequado à evolução do setor e às mudança das condições de competição, com o objetivo de garantir beneficios ao consumidor e o desenvolvimento social e econômico do Pais.

Assim, sem prejuízo de outras alterações que forem julgadas pertinentes para a adequação de outros atos normativos às diretrizes indicadas na presente exposição de motivos, este Ministério, respondendo à consulta feita pela Anatel em função das demandas apresentadas pela ABRAFIX, recomenda a remoção da restrição, presente na formulação original do PGO, que hoje impossibilita a integração de redes de STFC e a consolidação geográfica entre regiões.

De acordo com a recomendação ora apresentada, o PGO passaria a admitir transferências de concessão ou de controle societário entre concessionárias do STFC em diferentes regiões, desde que respeitadas, naturalmente, as obrigações estabelecidas pela regulação setorial e pela legislação concorrencial em vigor, conforme dispõe a LGT.

A premissa central que orienta esta recomendação é o entendimento de que a restrição em questão tomou-se anacrônica em, pelo menos, dois sentidos.

Em primeiro lugar, pela consecução dos principais objetivos que motivaram a sua previsão no modelo regulatório do setor no pós-privatização, os quais, como se verá adiante, foram associados, àquela altura, aos potendais benefidos de um modelo de prestação do STFC inicialmente baseado em companhias regionais.

E, em segundo lugar, pela inadequação daquele modelo às atuais condições de competição no setor de telecomunicações, cuja dinâmica tem se caracterizado por uma tendência de integração de serviços múltiplos em bases territoriais cada vez mais abrangentes, pelos principais conCOlTentes no mercado mundial.

2. Dos motivos da regionalização

A restrição prevista nos arts. 7º e 14 do PGO origina-se da opção por um modelo de prestação do STFC baseado em companhias com atuação regional.

Na Exposição de Motivos que acompanha a LGT (E.M. 231), são apresentadas as razões dessa escolha que, à época, foi contraposta à opção, também analisada pela (E.M. 231) “da criação de duas empresas nacionais” – resultantes, de um lado, da consolidação das teles estaduais em uma única operadora e, de outro, da segregação das atividades então conduzidas pela Embratel.
Segundo a E.M., três razões justificariam a opção por companhias regionais.

Em primeiro lugar, o entendimento de que em um cenário formado por duas empresas nacionais – que, na opção considerada, deteriam infra-estruturas complementares – o órgão regulador a ser instituído se defrontaria com desafios mais complexos, tendo em vista o objetivo de promover a competição no setor. Na avaliação apresentada pela E.M., tal complementaridade encerraria um “forte incentivo à colusão”, exigindo, para que se alcançasse o ambiente competitivo desejado, “uma atuação extremamente forte do órgão regulador já desde a sua constituição”, o que – não se podendo antecipar a capacidade de resposta do órgão – introduziria “um grau de incerteza extremamente elevado, com resultados imprevisiveis em termos de evolução potencial do mercado”.

Uma segunda justificativa apresentada pela E.M. para fundamentar a preferência pela regionalização foi a de que “ela permitiria a criação de mecanismos de incentivo aos investimentos necessários à implantação de infra-estrutura e ao atendimento às obrigações de serviço universal”. Tal avaliação – além de antecipar o mecanismo do PGO que condicionaria a expansão geográfica e de serviços das concessionárias de STFC ao cumprimento de suas respectivas metas de universalização – revelava a expectativa de que em uma fase posterior as operadoras regionais pudessem vir a competir nas áreas de suas rivais também na oferta do STFC.

Finalmente, a terceira razão apresentada pela E.M. em defesa da opção por companhias regionais foi a de que esse modelo tenderia a ser mais bem sucedido no que se refere ao objetivo de impulsionar investimentos supostamente em bases mais abrangentes. De acordo com a E.M., “a regionaJização permitiria a focalização dos investimentos dentro de cada região, aumentando assim as frentes de inversões e cobrindo portanto o País todo”.

Passados dez anos da opção feita pela regionalização no modelo regulatório estabelecido na reforma do setor, as justificativas que deram suporte a essa escolha perderam consistência, seja porque não refletem as condições de mercado atuais, seja porque os objetivos por ela almejados já foram alcançados.

Com efeito, se compreensíveis no momento inicial da reforma, as dúvidas com relação à capacidade técnica e institucional da agência reguladora de promover a competição no setor não mais se justificam, conclusão que se depreende com facilidade ao exame do sofisticado arcabouço regulatório constituído no período pela Anatel. Soma-se a essa avaliação a maturidade do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência, cuja expertise em matéria de telecomunicações pôde ser testada e consolidada ao longo desses dez anos.

Outra razão evocada pela E.M. para justificar a regionalização, a introdução de incentivos ao investimento por meio de condicionamentos à diversificação geográfica das concessionárias, foi também superada pelo tempo. Nesse caso, pelo fato de que o condicionamento estabelecido já foi cumprido, e o direito a ele associado assegurado e exercido, não se podendo extrair qualquer contrapartida adicional.

Note-se, a esse respeito, que a expectativa de que as concessionárias regionais viessem a atuar como competidoras ativas na oferta do STFC nas regiões de operação de suas rivais acabou não se confirmando, reiterando a dificuldade, também observada na experiência internacional, de introduzir-se uma situação de efetiva concorrência na telefonia fixa local – mesmo fazendo-se uso de um numeroso conjunto de instrumentos com essa finalidade, como a adoção de mecanismos de regulação assimétrica em benefício de novos entrantes.

Em verdade, e conforme a experiência internacional e doméstica demonstram, a evolução tecnológica das telecomunicações no período recente caminha no sentido da redefinição das condições de concorrência no setor, deslocando para um outro plano a discussão sobre a competição entre redes de telefonia fixa, foco da abordagem regulatória tradicional.

Essas condições apontam para a perda da importância relativa do Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) e para um cenário de concorrência entre diferentes modalidades de serviços (móvel-fixo, por exemplo) e, principalmente, entre diferentes infra-estruturas de rede, conforme será considerado adiante.

Por fim, também se pode dizer que a terceira motivação apresentada na E.M. como fundamento das opções regulatórias estabeleci das no PGO já foi superada, uma vez que as projeções de investimento constantes do Programa de Recuperação e Ampliação do Sistema de Telecomunicações (PASTE) para o STFC, entre 1998 e 2003, foram cumpridas e ultrapassadas.

Ainda é importante notar que na elaboração do PGO em vigor a. obtenção de escala foi apontada como condição para a viabilização dos investimentos projetados. Conforme indica análise constante do.processo de aprovação do PGO, a divisão do Brasil em três regiões visou a “obtenção de escala mínima, no sentido de garantir uma dimensão que permitisse às concessionárias enfrentar melhor o desafio dos investimentos e da expansão, e a competição com os grandes concorrentes internacionais”.

A radical transformação do setor de telecomunicações na última década modificou, porém, os parâmetros de escala que justificaram a opção pela regionalização, De fato, e como demonstram as experiências norte-americana e européia, é com referência às dimensões nacional ou continental – e não regional ou local – que seus respectivos arcabouços regulatórios vêm sendo redesenhados, redefinindo-se as estratégias competitivas das suas empresas. Assim, diante do novo patamar de investimentos exigidos pela convergência tecnológica e da escala atual dos competidores globais, é recomendável que a preocupação com a escala mínima seja atualizada, estimulando-se a geração de beneficios aos usuários dos serviços em decorrência da consolidação de mercados mais competitivos.

3. Novo padrão de concorrência

Mais importante que a constatação de que as justificativas adotadas para a introdução da restrição prevista nos arts. 7º e 14 do PGO encontram-se atualmente superadas, é a observação de que essa restrição não se harmoniza com a reconfiguração do padrão de concorrência no setor de telecomunicações – algo que, de resto, fica evidenciado na análise de iniciativas de reformulação de arcabouços regulatórios de outros países e regiões (Estados Unidos e União Européia, sobretudo).

O traço central dessa reconfiguração é conhecido. Corresponde à conversão das infra.estruturas de telecomunicações, antes dedicadas à provisão de um único tipo de serviço, em plataformas aptas a oferecer um conjunto integrado de serviços.

Esse resultado, que espelha os desdobramentos da chamada “convergência digital”, tem levado a uma progressiva redefinição do padrão de demanda por serviços de telecomunicações e suscitado a necessidade de uma nova delimitação dos mercados relevantes de produtos/serviços, bem como dos mercados geográficos.

Trata-se, certamente, de um processo em rápida evolução, ainda em estágio inicial, e que precisa ser acompanhado pela redução de restrições regulatórias que podem se revelar inadequadas frente às mudanças no setor de telecomunicações, sob pena de serem criadas barreiras artificiais ao desenvolvimento de novas tecnologias ou obstáculos à evolução da prestação de serviços de forma eficiente, em prejuízo do consumidor.

Ao que tudo indica, as estratégias competitivas das operadoras de telecomunicações serão crescente mente determinadas por sua capacidade de ofertar, a consumidores de perfil variado, combinações alternativas de serviços, dentre os quais, notadamente. voz, dados e vídeo, com ou sem mobilidade. Frente à tendência de que a competição no setor de telecomunicações seja cada vez menos pautada pela prestação de serviços isolados, e cada vez mais pela oferta de “pacotes”, a integração de redes de alta capacidade de transmissão (banda larga) se afigura, portanto, como um novo imperativo concorrencial.

E, tanto no Brasil como no mundo, o cenário acima delineado já vem assumindo feições concretas. De fato, sob a lógica da integração das redes, os últimos anos têm testemunhado grande número de iniciativas de operadoras de telefonia fixa, móvel, de redes de dados e de TV por assinatura, cujo sentido básico é a diversificação de serviços (composição de pacotes).

Parte dessas iniciativas tem se concretizado por meio da obtenção das licenças pertinentes – em determinadas jurisdições, licenças “únicas” para múltiplos serviços – e da realização de investimentos na constituição de novas infra-estruturas. No entanto, o veículo por excelência da integração de redes nesse novo ambiente competitivo têm sido as operações de fusão e aquisição entre operadoras já existentes, alternativa de forma geral autorizada pelos órgãos reguladores e, na ausência de riscos à competição e ao consumidor, pelas autoridades antitruste.

Destacam-se, nesse contexto, as operações de consolidação territorial entre empresas originárias de um mesmo segmento, fenômeno que no período recente tomou-se recorrente no cenário mundial, notadamente nos EUA – país que, justamente, introduzira o modelo de regionalização e separação de serviços no qual o modelo brasileiro se inspiraria nos anos 1990.

De fato, com a edição do Telecommunications Act, em 1996, os EUA abandonaram o paradigma regulatório anterior, removendo as restrições que então impediam a integração de infra-estruturas de rede com abrangência nacional entre operadoras incumbentes de telefonia fixa local e de longa-distância. Como resultado, desencadeou-se um amplo processo de reconfiguração do setor de telecomunicações norte-americano, sancionado pelo órgão regulador, que culminaria no reagrupamento das 10 operadoras resultantes do desmembramento da AT&T em 1984 (9 operadoras locais e 1 de longa-distância), além de 2 operadoras entrantes de longa distância e comunicação de dados, em apenas 3 grandes grupos (AT&T, Qwest e Verizon). Dois aspectos devem ser ressaltados na mudança de perspectiva regulatória ocorrida nos EUA:

Em primeiro lugar, o reconhecimento, pelo órgão regulador, de que a tendência de concentração do setor de telecomunicações traduz um esforço de captura de sinergias e economias de escala que, quando não lesivo à concorrência e ao consumidor, deve ser estimulado em favor do desbloqueio de investimentos em modernização, expansão e integração de redes multi-serviços.

E, em segundo lugar, a avaliação de que a integração de voz, vídeo e dados implica uma mudança no paradigma de universalização de acesso a serviços de telecomunicações, devendo-se eleger o acesso a serviços de comunicação baseados em redes de banda larga, e não mais apenas o serviço de telefônica fixa (STFC), como foco da ação regulatória.

Note-se, finalmente, que mesmo obedecendo a uma trajetória distinta, a perspectiva regulatória adotada na União Européia em relação às mudanças em curso no setor de telecomunicações é muito semelhante.

As diferenças de trajetória referem-se principalmente ao fato de que nos países europeus não se optou pelo modelo de regionalização, não se dividindo as companhias estatais nacionais quando da sua privatização. Mas apesar da opção original por empresas nacionais, no âmbito do arcabouço regulatório europeu não há barreiras regulatórias a fusões e aquisições entre essas empresas, permitindo-se a integração entre redes de telecomunicações com o objetivo de estimular a ampliação da oferta de serviços múltiplos baseados em redes de abrangência transnacional – operações que se tomaram cada vez mais freqüentes, sendo aprovadas quando não-lesivas à concorrência e aos consumidores.

O caso europeu demonstra que os principais grupos de telecomunicações (France Telecom, BT, Deutsche Telekom e Telefónica) têm podido capturar sinergias e economias de escala e de escopo, tal como ocorreu nos Estados Unidos após as reformas regulatórias da década de noventa. Um dos resultados desse processo foi o aumento da capacidade de investimentos desses grupos, que passaram a dispor de condições financeiras suficientes para adotar estratégia de integraçães verticais e horizontais e intemacionalização para além da União Européia.

4. Considerações finais

Os pleitos da Associação Brasileira de Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado – ABRAFIX, que motivaram a consulta da Anatel a este Ministério, apontam restrições consideradas prejudiciais à integração de redes de serviços de telecomunicações e à plena convergência digital de voz, vídeo e dados.

Tais restrições são reconhecidas na presente exposição de motivos, justificando modificações no PGO e, conforme avaliação a ser efetuada por essa Agência, em outros documentos normativos, para que o marco regulatório das telecomunicações brasileiras seja adequado ao atual estágio de desenvolvimento do setor, tendo por referência as melhores práticas internacionais em matéria de regulação da concorrência e o objetivo de garantir benefícios ao consumidor e o desenvolvimento social e econômico do País.

De fato, na exposição desenvolvida nos itens anteriores mostrou-se que as razões da adoção de um modelo de exploração do STFC baseado em companhias regionais – do qual derivou a restrição imposta pelos arts. 7º e 14 do PGO em vigor – encontram-se hoje superadas.
De um lado, por já terem sido alcançados os efeitos que dele se esperava – ressalva feita à expectativa de que a regionalização contribuiria para a intensificação da competição na telefonia fixa local, projeção que não se confirmou ao longo do tempo.

De outro, e principalmente, porque o impedimento à transferência de concessões e de controle entre concessionárias do STFC se mostra cada vez mais disfuncional diante das tendências de reconfiguração do padrão de competição no setor de telecomunicações, que apontam, crescentemente, para um esforço de obtenção de sinergias e economias de escala e de escopo que visa viabilizar a ampliação dos investimentos em integração de redes multi-serviços. Esforço que, como visto, tem sido de modo geral sancionado pelos órgãos reguladores de outros países.

Cabem, por fim, duas observações. Primeiro, as alterações aqui propostas não constituem autorização prévia a iniciativas de consolidação entre empresas mas, apenas, a abertura da possibilidade de movimentos de reorganização no setor, mantida a necessidade de aprovação de tais movimentos à luz da regulação setorial e das normas de defesa da conconência aplicáveis. De outra parte, é certo que a preservação das restrições hoje existente pode vir a limitar os beneficios do novo padrão de prestação de serviços e de competição no setor ao obstar possibilidades de apropriação, pejo mercado brasileiro, de sinergias e economias de escala derivadas da integração de redes e consolidação de regiões.

Por todo o exposto, com fundamento nos arts. 84, § 1º, 18, II, 19, I e III e 202, § I da LGT e no art. 16, I, III e IV do Regulamento dessa Agência (Decreto n.º 2.338/97), o Ministério das Comunicações solicita, por meio deste documento, que a Anatel, nos termos das suas competências previstas na LGT e segundo as diretrizes estabelecidas na presente exposição de motivos, elabore e submeta a Consulta Pública, para posterior aprovação do Presidente da República, proposta de alteração do Decreto n.º 2.534/98.

Segundo as diretrizes de Política Nacional de Telecomunicações explicitadas no presente documento, o Ministério das Comunicações recomenda:

a) a supressão da vedação, constante dos arts. 7º e 14 do PGO, que impede a transferência de controle ou de concessão que resulte no controle, direto ou indireto, por um mesmo acionista ou grupo de acionistas, de concessionárias atuantes em Regiões distintas do PGO, possibilitando a integração de redes de STFC e a consolidação geográfica entre Regiões; e

b) a revisão de restrições regulatórias constantes de outros atos normativos, conforme avaliação a ser feita pela Anatel, de modo a permitir a consolidação da operação de múltiplos serviços, viabilizando a plena integração de diferentes infra-estruturas de rede e a convergência digital entre voz, vídeo e dados.

Os demais assuntos tratados na correspondência da ABRAFIX, anexada ao expediente em epígrafe, dessa autarquia especial, serão objeto de posterior análise por esta Pasta Ministerial.

1) Entre 1998 e 2003 os investimentos realizados pejas Concessionárias e STFC totalizaram R$ 52,9 bilhões.

2) Análise Anatel n.º 009/98 – GCML.

3) O reconhecimento da importância da escala na regulamentação brasileira pode ser observado também no âmbito da prestação do serviço móvel (SMC e posteriormente SMP), com a redução do número original de áreas de prestação de dez para três, conforme o Anexo I do Plano Geral de Autorizações do Serviço Móvel Pessoal (Resolução Anatel n.º 321, de 27 de setembro de 2002).

Atenciosamente,

HÉLIO COSTA
Ministro de Estado Das Comunicações.”

Europe in a Globalised World

fevereiro 27, 2008

eeag08-grau-rand.jpg

Ontem,  26 de fevereiro, o European Economic Advisory Group (do CESifo Group– The CESifo Group, que consiste do Center for Economic Studies (CES), do Ifo Institute for Economic Research e o CESifo GmbH – Munich Society for the Promotion of Economic Research, é um grupo de pesquisa único na Europa, na área de pesquisa econômica, apresentou seu sétimo relatório: “Report on the European Economy”, intitulado “Europe in a Globalised World” numa conferência em Bruxelas.

O recado do relatório é duplo. Em primeiro lugar, os aspectos positivos da globalização superam os negativos, e, em segundo lugar, aponta nuvens escuras nos EUA, mas nenhum sinal de recessão na Europa.

A comunicação audiovisual social eletrônica no Brasil: você sabe como estão pretendendo regulá-la?

fevereiro 26, 2008

 comuni.jpg

“Na semana passada comentamos sobre a compra da Brasil Telecom-BrT pela Oi (ex-Telemar), e sobre as incertezas que estão por trás deste grande negócio (afinal, o governo federal está despudoradamente tomando partido a favor da formação de uma grande empresa monopolista privada, algo que, quando era oposição, sempre abominou!).

Mas ao lado deste fato, que tem sido, em nossa opinião, ainda muito pouco debatido, está sendo travada no Congresso Nacional (mais concretamente na Câmara Federal) uma discussão muito pouco divulgada, e que converge para o tema da compra da BrT pela Oi: ou seja, a criação de regras para um marco legal para a comunicação audiovisual do país.

O que nós estamos falando é sobre dois projetos de lei no âmbito da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara Federal: o PL 27/2007 e o PL 29/2008. Ambos são de autoria do Deputado Paulo Bornhausen (DEM-SC), e tendo como relator o Deputado Jorge Bittar (PT-RJ). O primeiro foi apresentado em fevereiro de 2007, e dispõe sobre a organização e exploração das atividades de comunicação social eletrônica e dá outras providências. O segundo, é um substitutivo do primeiro, tendo como apensos os Projetos de Lei n° 70, de 2007, n° 332, de 2007, e n° 1908, também de 2007. Ele dispõe sobre a comunicação audiovisual social eletrônica de acesso condicionado e dá outras providências.”

Esta é a introdução ao nosso artigo desta semana no blog Acerto de Contas, que você pode acessar aqui!

Projeções da NABE nos EUA: recessão em 2008?

fevereiro 24, 2008

 recession.jpg

O crescimento econômico dos EUA irá diminuir até um ponto bem baixo, mas evitará a recessão durante o primeiro semestre deste ano, enquanto a inflação irá continuar a subir, disseram os economistas pesquisados pela NABE- National Association for Business Economics.

O plano de gastos de Obama: como ele vai financiar?

fevereiro 24, 2008

 barack_obama00001.jpg

Mr. Obama, pelo crescimento de sua campanha, já está causando enorme frisson na mídia amerciana.  E, ao mesmo tempo que em ele avança, fica cada vez mais claro seu posicionamento amador diante das grandes questões que o gestor da maior economia do mundo terá que enfrentar.

Vejam só o que o editorial do jornal Washington Times publicou na data de 22/02/2008:

Obama’s spending plan

THE WASHINGTON TIMES EDITORIAL
February 22, 2008

Barack Obama has a plan. Well, he actually has lots of plans. Paying for those plans is no secret.

Bear with us even though the costs aren’t hidden in these details. To finance (1) his 10-year, $150 billion program to “establish a green energy sector,” (2) his 10-year, $60 billion “National Infrastructure Reinvestment Bank,” (3) his nearly universal health care plan (whose annual price tag he low-balls at $50 to $65 billion) and (4) a host of refundable tax credits ranging from $4,000 per year for college students to a tripling of the Earned Income Tax Credit for minimum-wage workers, Mr. Obama plans to (1) end the war in Iraq, (2) permit the Bush tax cuts to expire for households earning more than $250,000 and (3) “change our tax code,” which “has been rigged by lobbyists with page after page of loopholes that benefit big corporations and the wealthiest few.”

In his attempt to appease the anti-war brigades, Mr. Obama may be overestimating the peace dividend. And in his efforts to engage in class warfare, he is demonizing businesses and wealthy individuals, who collectively bear the lion’s share of the nation’s tax burden.

Regarding the peace dividend, it must be recalled that Mr. Obama declined in September to promise that all U.S. troops would be out of Iraq by January 2013, which was more than five years down the road. Meanwhile, U.S. military forces in Afghanistan will soon exceed 32,000 troops, there are growing expectations that more will be needed and it is likely that our allies will be withdrawing more of their forces. If a Democratic president managed to reduce U.S. forces in Iraq by 75 percent from the surge’s peak level, there would still be 40,000 troops there. That means the Afghanistan/Iraq theaters would still have a total of about 75,000 U.S. troops. In October, when the Congressional Budget Office (CBO) examined a scenario in which 75,000 U.S. troops would remain in those two countries through fiscal 2017, it concluded that the costs “would total $1,055 billion over the 2008-17 period.” That figure did not include an additional $290 billion in interest outlays; nor did it include another $147 billion over the 2009-17 period to increase the size of the Army and Marines; and it did not include the tens of billions of dollars that will be required to reset the military’s equipment.

Regarding the lobbyists who have “rigged” the tax code with “loopholes that benefit big corporations and the wealthiest few,” two facts are worth noting. First, as total tax receipts increased from 16.5 percent of gross domestic product (GDP) in fiscal 2003 to 18.8 percent of GDP in fiscal 2007, corporate income taxes increased from 1.2 percent of GDP to 2.7 percent, the highest level in 30 years. Thus, the four-year proportionate increase in corporate income tax revenue (from 1.2 percent to 2.7 percent) accounted for 65 percent of the proportionate increase in total revenues (from 16.5 percent to 18.8 percent). The second point relates to the “loopholes” for the “wealthiest.” According to a December 2007 CBO study, in 2005 the top 1 percent of households earned 18.1 percent of income and paid 38.8 percent of individual federal income taxes and 27.6 percent of all federal taxes. The highest quintile (the top 20 percent) earned 55 percent of income and paid 86.3 percent of individual federal income taxes and 68.7 percent of all federal taxes.

Mr. Obama’s anti-war and class-warfare rhetoric borders on the demagogic.

Outsourcing, India e Obama

fevereiro 24, 2008

india.jpg 

Outsourcing not causing US unemployment: India Inc

Esta é a manchete do jornal The Times of India, de 20/02/2008. A India Inc., ou seja, o lado empresarial da India, que está sentindo o calor dos candidatos à Presidência dos EUA, que estão acusando a ida dos empregos para a China e India pelo cresimento do desemprego americano, lançou uma contra-ofensiva nos EUA dizendo aos americanos que a indústria está criando novas oportunidades de trabalho para eles.

Uma propaganda de página inteira no Chicago Tribune, pela entidade de representação industrial FICCI e o Ministério do Comércio da India, dá um relato elaborado de como o legendário Grupo Tata, além de outros como a Ranbaxy, Mahindra USA, Bharat Forge, ITC Kitchens of India, e HCL America têm criado milhares de nos EUA ao investir em diferentes setores da economia americana.

No dia 22/02/2008 foi a vez do Timesnow.tv entrar na briga com a seguinte matéria: “India Inc. avança nos políticos americanos“.  Segundo a matéria, o debate do outsourcing se renova e desta vez a India Inc, que está enfrentando o fogo dos candidatos à Presidência dos EUA, especialmente o esperançoso democrata Barack Obama, que tem apontado os indianos como a causa do crescimento do desemprego no país.

Quero ver até onde vai o discurso do populista Obama, e se ele continua dizendo estas bobagens sobre os indianos e chineses.  Mais interessante ainda será vê-lo Presidente e ter que reafirmar o que disse na campanha!


%d blogueiros gostam disto: